segunda-feira, 2 de abril de 2012

A importância dos livros

Segundo a pesquisa encomendada ao Ibope Inteligência pelo Instituto Pró-Livro, realizada entre os meses de junho e julho do ano passado, o brasileiro lê em média 4 livros por ano, sendo que 2,1 até o fim (os dados são similares aos dos Estados Unidos, que assim como no Brasil, a Bíblia é o livro mais lido). Na França esse número quase triplica, os franceses leem por volta de 11 livros.
As mulheres leem mais do que os homens na maioria dos países. Podemos considerar que apenas um terço da população brasileira tem o hábito de ler. O restante alega que o alto custo dos livros e a falta de tempo são os motivos pelo desinteresse da leitura. Evidentemente, são razões justas, mas percebemos que o hábito de ler não é uma das prioridades do brasileiro.
A internet, televisão, rádio, jornais, revistas e outros veículos de entretenimento e informação são plataformas importantes e imprescindíveis para a sociedade atual. Mas quando não existiam essas ferramentas, os livros eram os que ajudavam na formação intelectual e culta dos cidadãos.


A facilidade de comunicação nos dias atuais permite a chegada de inúmeras e distintas informações diariamente. Existe uma porcentagem exorbitante de pessoas que não chegam ao aprofundamento de nenhuma delas. Navegam na superficialidade das manchetes, formam juízos sem reflexão e não chegam realmente a pensar.
Estamos programados como robôs. O número de responsabilidades pessoais que assumimos e que temos de cumprir nos conduzem ao final da estrada sem ao menos olharmos as paisagens. Estamos tão ocupados com o nosso próprio mundo que não pensamos, vamos correndo no piloto automático.
A leitura é um ótimo hábito para aprender a pensar. Nos permite conhecimento, amplia nossos critérios críticos de análise e é um ótimo  exercício para o cérebro. Uma sociedade que lê é uma sociedade mais culta e menos conivente com as injustiças sociais, porque a capacidade de reflexão nos leva a entender nossos direitos e deveres, princípios básicos para qualquer nação desenvolvida.
Como não existe um fomento real de literatura no Brasil, o brasileiro considera a prática da leitura uma questão menor. O preço caro dos livros também é um fator que impossibilita aos leitores habituais de adquirir mais títulos.
Os livros são alimentos para o desenvolvimento da mente assim como a comida para o corpo.
Parabéns aos que leem, aos que sobrepassam a realidade inóspita à leitura. Ler é destruir o câncer que é a ignorância, mãe de todos os preconceitos.



2 comentários:

Lidia Maria de Melo disse...

Ler, uma atividade que me acompanha desde a infância e que espero jamais abandonar. Ler é fundamental!

Odenir Vinhato disse...

Todo brasileiro sabe da importância do hábito de leitura! Más estamos muito acomodados para nos dedicar a algo tão trabalhoso! Preferimos algo menos crítico e que não nos faça pensar! O custo do livro é relativo. Quanto gastamos em bebidas e cigarros? Roupas e calçados novo e de marca! Más não frequentamos uma biblioteca pública em que os livros são gratuitos!!!