quinta-feira, 31 de maio de 2012

Polêmica na Argentina: justiça x religião


Pablo Albarracini, um argentino de 38 anos, luta pela vida desde o começo deste mês. Ele sobreviveu aos tiros que levou durante um assalto e a decisão de que não lhe façam uma transfusão de sangue porque a sua religião (Testemunha de Jeová) proíbe, fez com que a sua saúde piorasse desde a sexta-feira passada.
Uma batalha judicial está dividindo a opinião pública na Argentina, pois o pai dele, Jorge Albarracini, está pedindo à Justiça que autorize a transfusão, mas a sua nora que é da mesma religião, tenta impedir.
Desde quando o jovem paciente entrou na clínica, a questão religiosa havia sido levantada, mas Jorge foi à Justiça para que permitisse a transfusão, que foi autorizada em primeira estância.
 No entando, a esposa de Pablo apareceu acompanhada por um grupo de testemunhas de Jeová e com um documento assinado em cartório pela vítima onde expressava claramente que mesmo se os médicos achassem que seria imprescindível a transfusão para lhe salvar a vida, ela não fosse feita. 
A esposa recorreu à Câmara Civil de Apelações e conseguiu suspender a autorização, que determinou que Pablo havia assinado previamente uma ata e que este direito está contemplado pela lei argentina.
Ontem, Jorge apresentou um recurso extraordinário à Suprema Corte, pedindo para que a transfusão fosse autorizada e espera que seu pedido seja atendido rapidamente. 
No último dia 25, Pablo sofria seis hemorragias internas e teve de ser operado novamente. O estado dele agora é crítico e somente a transfusão de sangue pode ajudá-lo, segundo conta a advogada Telma Gallego ao jornal argentino Clarin"Agora não há outra alternativa, como poderia ser uma máquina regeneradora de sangue ou injeções que gerem glóbulos vermelhos" - informou.
A advogada considera a ação da justiça arbitrária e que viola os princípios constitucionais básicos e os tratados internacionais que protegem a vida. Además, afirma que o documento assinado pelo paciente é uma cópia e o original não aparece. E como isso foi feito há quatro anos, talvez hoje essa não seria a sua vontade. E como ele está em coma, não é possível saber.  


terça-feira, 29 de maio de 2012

Rins à venda nas ruas do Irã


O Irã é o único país do mundo que permite o comércio de órgãos. Controlado pelo estado, os transplantes só podem ser efetuados em centros designados pelo governo e os pacientes têm de ser cidadãos iranianos. Essa lei entrou em vigor em 1988 e desde 1999 já não existe mais lista de espera no país.
Na reportagem do jornalista Saeed Kamali Dehghan, publicada ontem no jornal britânico "The Guardian", mostra a concorrência na venda de rins entre os iranianos mais pobres. Perto da Associação de Caridade de Apoio de Pacientes Renais, em Teerã, o número de anúncios tem se multiplicado ultimamente pelas ruas. É possível encontrá-los facilmente em murais de classificados, muros, nas portas de residências particulares, postes e até em árvores. Em qualquer lugar que esteja bem visível. Cada vendedor procura a forma que acha que irá chamar mais atenção, escrevendo em letras grandes e coloridas. A concorrência é grande e alguns acabam arrancando ou acrescentando informações suas em anúncios de outros. Os preços variam e podem alcançar a cifra equivalente a vinte mil reais.  






                             O tráfico internacional de órgãos humanos

No Paquistão, nas Filipinas, na China, no Norte de África ou na América Latina não é difícil comprar um órgão e é assim que muitas vezes se passa por cima das listas de espera por um transplante. Essa prática corresponde a 10% dos órgãos transplantados no mundo e os "turistas" são geralmente americanos, japoneses, europeus e principalmente israelenses.
Em Israel, muitos convênios médicos pagam os gastos dos clientes por obter um órgão em outros países, pois acaba sendo mais barato que a hemodiálise, por exemplo. Em 2007 houve um grande escândalo internacional ao ser revelado que muitos dos órgãos transplantados aos israelitas proveniam dos presos condenados à morte na China. Sem o consentimento dos réus executados, eram extraídos corações, córneas, pele, rins, pulmões e fígados, cujo tráfico contava com a ajuda de um esquema envolvendo policiais, juízes e médicos. Os anúncios eram (e ainda são) facilmente encontrados na internet. Apesar do governo chinês ter proibido o transplante de órgãos a estrangeiros, não existe um controle efetivo e essa prática continua existindo.
Além do gigante asiático, o Brasil também é destino alvo para esses comerciantes. É só lembrar do caso Operação Bisturi da Polícia Federal, em 2003, que prendeu o israelita Gedalya Tauber por chefiar um grupo que aliciava pessoas para venderem seus rins na África do Sul. O mafioso havia atuado na capital pernambucana e tinha convencido trinta pessoas a viajarem para o país africano, para serem internados em clínicas especializadas em transplantes, cujas salas de cirurgias recebiam cidadãos israelenses e norte-americanos dispostos a pagar fortunas em troca de um novo órgão.
Uma das propostas para erradicar o tráfico ilegal de órgãos no mundo é a legalização do livre comércio. Essa solução acaba gerando uma série de conflitos éticos e morais. No Irã, o governo paga uma porcentagem dos gastos, mas o receptor é o que assume a maior parte. E isso acaba sendo um privilégio de pessoas ricas que acabam explorando os pobres de forma refinada.


segunda-feira, 28 de maio de 2012

Vicente Celestino, a voz orgulho do Brasil

Ouvir Vicente Celestino me transporta a um mundo nostálgico que vivi e a outro que imaginei. Era um dos cantores favoritos da minha avó materna e continua sendo um dos preferidos da minha mãe. Cresci escutando "que ele sim que era um grande cantor". 
Quando era criança e acordava cedo para ir à escola,  escutava as canções dele que tocavam nas rádios AM, que meus pais ouviam, enquanto tomava o café da manhã.
Graças à internet pude conhecer melhor o vasto material deixado por um dos maiores ídolos brasileiros da primeira metade do século XX. 
Vicente Celestino nasceu no dia 12 de setembro de 1894, no Rio de Janeiro. Estreou profissionalmente no teatro em 1916, ano em que lançou o primeiro disco. Antes cantava em festas, serenatas e chopes-cantantes.
Em 1920 montou sua própria companhia de operetas, mas atuava paralelamente em outros gêneros musicais. Ganhou fama e logo começou a percorrer todo o Brasil, com companhias de revistas e operetas. Talvez tenha sido o artista mais relevante dos anos 20 no nosso país. Na década seguinte, começou a compor e uma de suas canções mais famosas, "O Ébrio", foi levada ao cinema em 1946. "Coração Materno" foi outro tema transformado em filme, no começo da década de 50.
Gravou mais de 130 discos em 78 RPM (única forma de amarzenamento de áudio até a invenção do disco de vinil, em 1948) e 31 LPs. 

                                                       O Ébrio

Além de pianista, também tocava violão. E o que era comum naquela época, os cantores também eram atores. A voz de tenor, a paixão e arrebato que interpretava o que cantava fez com que ele tenha entrado para a história da nossa música. 
Faleceu no dia 23 de agosto de 1968 aos 73 anos, quando estava de saída para um show com Caetano Veloso e Gilberto Gil, na famosa gafieira "Pérola Negra", que seria gravado para um programa de televisão, no começo do movimento tropicalista. 

                                                     Mia Gioconda

A nossa música popular é diversa e riquíssima, temos grandes artistas escondidos no passado. Considero que atualmente existe uma carência profunda de qualidade musical, de acordo com meus gostos. Mesmo sendo eclético, não encontro quase nada que valha a pena e lamento que não hajam grandes revelações ultimamente.  Mas como sou optimalista, aproveito para atravessar fronteiras geográficas a procura de novas descobertas e também resgatar nomes do passado.

                                                      Porta Aberta



domingo, 27 de maio de 2012

Eurovisão: Suécia vence com "euphoria"

Ontem, em Baku, capital de Arzebaijão, aconteceu a 57ª edição do Festival Eurovisão da Canção. Não sou seguidor do concurso e até desconhecia a existência dele antes de chegar na Espanha. Sei que gera muita expectativa nos europeus e que a audiência média supera o número de 100 milhões de telespectadores no mundo inteiro. 
Assisti a edição de 2002, quando Rosa foi representar os espanhóis na Estônia. Ela era a vencedora da primeira edição de "Operación Triunfo" (programa de caça-talento musical que foi adaptado para o Brasil como "Fama" na TV Globo), que devido ao seu sucesso de audiência, contribuiu para que o país parasse para ver sua participação. Na ocasião, Espanha ficou em sétimo lugar.


A Suécia foi a grande vencedora deste ano com 372 pontos. Rússia e Sérvia ficaram em 2º e 3º lugar, com 259 e 214  respectivamente e Espanha em 10º, com 97.
Loreen, nascida em Estocolmo, descendente marroquina-berbere, apresentou-se com o tema "Euphoria" e não decepcionou aos que apostavam por ela. Com boa voz e uma performance que chamou bastante atenção, a cantora de 28 anos teve seu número considerado brilhante pela imprensa europeia. A canção soa bem comercial  e incita à dança. A coreografia lembra Bjork, Lila Downs, Michael Jackson e a dança do siri.


Existe uma diversidade incrível na Eurovisão, cuja crítica fica ao critério de cada um, obviamente. "Quedate conmigo" foi a música escolhida para ser interpretada por Pastora Soller, representando a Espanha. A interpretação não poderia ter sido melhor, a cantora demonstrou talento e segurança no palco.  Merecia melhor colocação. Deixo abaixo o link do vídeo da apresentação:
http://www.rtve.es/alacarta/videos/eurovision-2012/espana-pastora-soler-quedate-conmigo/1421411/

Homofobia: a válvula de escape

Freud disse que a civilização é o produto da frustração dos instintos humanos e que é a maior causa das patologias mentais. O que diferencia o homem dos outros animais é a capacidade de pensar e observando a história da humanidade, às vezes, questiono se isso é um mérito. 
Como entender o mundo que é explicado desde a proibição feita pelos que profanam o que professam?  Como aceitar que a religião, que é outra forma de organização social, é imprescindível como pilar para a humanidade? O homem realmente demonstra insanidade mental quando tenta impor o que sente aos demais. Superior a essa manifestação de loucura só mesmo a tentativa de usurpar o sentimento do próximo. 
Pretender ditar o comportamento alheio que nada lhe pode afetar não é uma atitude tirana que reflete exatamente a insatisfação com a própria forma que escolheu para viver? A convicção do que predica se rompe quando age dessa forma. Na verdade quanto mais histérico, mais inseguro está dos próprios valores. 
Costumes e tradições são expressões culturais que se recebem através de educação. Quanto mais rígidas são as normas, mais são as probabilidades de uma sociedade infeliz. A repressão é a forma mais letal para a psique humana.
O Brasil é maioritariamente cristão e um dos princípios que é consenso entre todos os ramos do cristianismo é o amor ao próximo. Como compreender então o alto índice de homicídios e outros crimes que atentam contra a segurança pública? Por que a corrupção é uma das principais características do país? Por que a homofobia está presente no consciente coletivo brasileiro?
O Brasil só se sente realmente cristão quando cerceia as liberdades individuais. Como é difícil seguir todos os mandamentos de sua crença, pratica em nome de Deus o que é mais fácil, interferir na vida dos outros de forma perniciosa, mesmo que o ódio contraria o que pregava Jesus. A homofobia é uma das válvulas de escape para essa sociedade que se fosse tão religiosa, provavelmente não seria tão feliz.


sexta-feira, 25 de maio de 2012

As frases de José Saramago

No próximo dia 18 será o segundo aniversário da morte de José Saramago, uma das personalidades mais relevantes do mundo da literatura dos últimos tempos.
Selecionei algumas de suas frases que demonstravam a sua inquietação com o mundo e a paz consigo mesmo. E também algumas fotos que foram tiradas quando ele esteve aqui em Madri, em fevereiro de 2009, ao lado de Fernando Meirelles para a divulgação do filme "Ensaio Sobre a Cegueira".


"Gostar é provavelmente a melhor maneira de ter, ter deve ser a pior maneira de gostar."

"Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo."

"Dentro de nós há uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos."


 "Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é so um dia mais."

"De que adianta falar de motivos, às vezes basta um só, às vezes nem juntando todos."

"Não sou um ateu total, todos os dias tento encontrar um sinal de Deus, mas infelizmente não o encontro."

  
"O que as vitórias têm de mau é que não são definitivas. O que as derrotas têm de bom é que também não são definitivas."

"Dirão, em som, as coisas que, calados,no silêncio dos olhos confessamos?"

"Para temperamentos nostálgicos, em geral quebradiços, pouco flexíveis, viver sozinho é um duríssimo castigo."


 "Sempre chega a hora em que descobrimos que sabíamos muito mais do que antes julgávamos."

"O espelho e os sonhos são coisas semelhantes, é como a imagem do homem diante de si próprio."

"Cada dia traz sua alegria e sua pena, e também sua lição proveitosa."


 "As palavras proferidas pelo coração não tem língua que as articule, retém-nas um nó na garganta e só nos olhos é que se podem ler."

"O difícil não é viver com as pessoas, o difícil é compreendê-las".

"O que dá o verdadeiro sentido ao encontro é a busca, e é preciso andar muito para se alcançar o que está perto."



"Nada é para sempre, dizemos, mas há momentos que parecem ficar suspensos, pairando sobre o fluir inexorável do tempo."

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Concha Buika


Concha Buika, ou simplesmente Buika, é uma cantora espanhola nascida em Palma de Mallorca, filha de imigrantes oriundos da Guiné Equatorial. Tem a mistura do gingado africano com o espanhol, une a alegria com o lamento flamenco que aprendeu na rua desde pequena.
Em 2000 lançou Mestizüo, com  o pianista Jacob Sureda. Depois disso foram cinco discos mais, dois quais dois tiveram edições especiais  (Mi niña Lola e Niña de Fuego).
Fez dueto com a cantora portuguesa Mariza para o disco "Terra (Pequenas Verdades)" e com cantora grega Elefteria Arvanitakis, com a música "Mirame". Em setembro de 2009 colaborou com Nelly Furtado com o tema "Fuerte" e no ano seguinte foi a vez de cantar ao lado de Seal, a música "You Get Me". Além desses nomes, Buika contribuiu com vários outros artistas espanhóis e internacionais.
Podemos vê-la no último filme de Pedro Almodóvar, "La Piel que Habito", interpretando a canção "Por el amor de amar", uma das canções de seu último disco, "Em mi piel", lançado no ano passado.




Deixo aqui o link de sua página oficial: http://buikamusic.com/


segunda-feira, 21 de maio de 2012

Xuxa no divã do Fantástico

Assisti o depoimento de Xuxa no Fantástico e fiquei curioso em saber se ela fez ou ainda faz alguma terapia. Acredito que para os profissionais de psicologia que tenham visto o programa, não foi difícil compreender a imagem confusa que ela transmitiu para os telespectadores.
É impossível não reconhecer que a "rainha dos baixinhos" foi a babá das gerações dos anos 80 e 90 no país. Foram os anos em que a televisão se popularizou no Brasil, alcançando maior número de casas, como também o período  da reafirmação da mulher no mercado de trabalho, iniciado principalmente nos anos 70. A mudança de estrutura da sociedade  e do comportamento da família contribuiram para que o contexto fosse propício para que Xuxa fosse transformada em um grande ícone infantil. 
O preço que paga uma pessoa quando que se torna famosa é a privação de algumas liberdades e o prejulgamento público. Esses efeitos colaterais da fama estiveram sempre presentes na carreira da que é uma das maiores celebridades brasileiras.Vários boatos foram espalhados sobre a vida dela e alguns tão absurdos que só são possíveis em uma sociedade como a nossa. Não vejo a população de nenhum país europeu difundir e acreditar que uma apresentadora de televisão ficou famosa porque tenha feito pacto com o diabo.
A entrevista "estarrecedora", "bombástica" e outros adjetivos sensacionalistas que chamaram a atenção para o programa teve repercussão nas redes sociais e nos portais de internet. A proposta de casamento com Michael Jackson, as relações com Pelé e Ayrton Senna, a ausência dos nomes de Luciano Szafir e Marlene Mattos foram os tópicos mais debatidos. Mas o assunto de real relevância social foi frivolizado por muitos. A revelação de que sofreu abuso sexual até os treze anos foi questionada de várias maneiras, mas não foi dada muita importância pela questão em si.
A violência sexual contra as crianças dentro do próprio lar é um grande problema e que acaba determinando de forma negativa o futuro delas. Xuxa foi corajosa e valente em falar sobre esse assunto em rede nacional. Provavelmente ela esteja realmente vacinada contra as críticas e a vontade de combater o abuso infantil tenha falado mais alto. Essa exposição pode contribuir de forma positiva sobre esse assunto tão delicado. Abrir um debate para que a sociedade esteja mais atenta aos menores e que as autoridades públicas tenham boa estrutura para proteger as vítimas.
Espero que os telespectadores do programa façam uma análise da experiência de Xuxa e estejam mais atentos aos seus "baixinhos". Apesar de ser um tema difícil, é imprescindível que os adultos prestem atenção no comportamento das crianças  ao seu entorno.




sexta-feira, 18 de maio de 2012

Cresce o número de adeptos da Santa Morte


Há alguns anos, conversando com amigos mexicanos, fiquei sabendo da Santa Muerte (Santa Morte), figura sagrada, adorada no México e que está se expandindo a outros países latinos e também aos Estados Unidos. Calcula-se que atualmente há mais de cinco milhões de seguidores em todo o mundo e o número vem crescendo a cada dia.
Santíssima Morte ou Menina Branca (Niña Blanca) é o sincretismo entre a fé católica e outras crenças mesoamericanas. Uma das características religiosas da cultura mexicana, desde a época pré-colombiana era a reverência à morte. Na Igreja Católica Tradicionalista Mexicana-Estadounidense ela é adorada, mas ela não tem nenhuma relação com a Igreja Católica Romana, que a repudia.
A Santa Igreja não a reconhece como santa e por isso seus devotos a adoram em altares caseiros, espalhados pelo país inteiro. Geralmente ela é representada como o anjo da morte, com uma gadanha e uma balança, vestindo mantos que variam de cores desde o branco ao preto, passando pelo vermelho, verde, azul, etc. As oferendas incluem rosas, cigarros, frutas, tequila, doces e maconha. Os santuários em homenagem a Santa Morte são enfeitados com rosas vermelhas, garrafas de tequila, cigarros e velas de várias cores. 
A cada dia 20 de agosto, peregrinos de todo o México caminham para Tepatepec (Hidalgo), a 140 km da capital do país, para festejar o dia da santa, que coincide com o dia de São Bernardo. Na verdade a data não é uma coincidência, pois foi na igreja deste santo nesta localidade que encontraram a imagem de um esqueleto que o representava. As pessoas viram nela a figura da morte e começaram a adorá-la como santa, em vez de santo, já que a cultura mexicana sempre relacionou a morte com imagens femeninas. Quando os sacerdotes perceberam esse comportamento, levaram a escultura para uma casa particular. A peregrinagem começou na metade da década de 60. 
Anterior a essa data, remontamos a 1795, onde o culto era realizado por indígenas da região central de México, que adoravam a um esqueleto. A Igreja Católica considerou esse ato religioso como satânico e o proibiu. Mas existem especulações de que apesar da proibição, as pessoas seguiram praticando o ritual de forma oculta, durante todo esse tempo. E essa tradição foi passada de boca em boca ao longo de várias gerações e atualmente ela ganha cada vez mais adeptos.
  
                          Padroeira dos criminosos e marginalizados


Há 11 anos, Enriqueta Romero, moradora do bairro Tepito, o mais violento de México DF, ganhou de seu filho, uma imagem da santa de 1,70m de altura. Como não tinha espaço em casa, decidiu colocá-la fora, ao lado do portão. Aos poucos as pessoas que passavam por ali, paravam e rezavam e logo apareceram outras deixando oferendas. A "virgem" ganhou um altar e uma vitrine, quando o número de devotos cresceu. Apesar de haver vários espalhados pelas ruas do bairro mais pobre da capital mexicana, o da dona Enriqueta acabou se transformando em outro ponto de peregrinação. Todo primeiro dia de cada mês, centenas de pessoas chegam na rua Alferaria para reverenciar o símbolo macabro ao lado de sua porta. Ela garante que não se beneficia economicamente da situação, apesar de ter uma barraca onde se vende medalhas, velas, cartas e outros itens associados à santa.
Na concepção de seus devotos, na maioria marginalizados, a Santíssima Morte tem o poder de curar e castigar. Traficantes, sequestradores e outros criminosos pedem a ela proteção e também castigo para os inimigos. Pessoas que vivem em comunidades violentas e mais pobres encontram nela o consolo para suas dores.
Uma das moradoras deste bairro, dona Ernestina, teve seu filho assassinado com sete balas por três marginais. O consolo para o seu luto foi ver atendido o pedido feito a "la flaca" ("a magra", expressão carinhosa que os mexicanos usam para referir-se a alguém) de que os culpados pela morte de seu filho tivessem o mesmo fim. Dois deles também foram mortos nas mesmas circunstâncias. E o mentor do crime se encontra em estado vegetativo, conta dona Ernestina com sorriso de satisfação no documentário "La Santa Muerte", narrado por Gael Garcia Bernal. Agora reza e pede para que a filha Gabriela Magali Soto Ramírez, presa por roubo qualificado, ganhe liberdade. 
Imagens e santuários dedicados à Santa Morte são encontrados na maioria das penitenciárias de México. Cerca de quarenta por cento dos presidiários do país são veneradores da santa e muitos tatuam a imagem de seu ídolo no corpo.


Podemos encontrar ao longo das estradas mexicanas, santurários dedicados a "Santíssima Morte", normalmente construídos por traficantes. E apesar de ser um país laico, em 2009, as autoridades mexicanas destruíram trinta capelas dedicadas a ela nas cidades de Novo Laredo e Tijuana em resposta às suas relações com traficantes de drogas e a pedido de moradores locais.
Os devotos da padroeira dos pobres e marginais se consideram católicos, apesar da Igreja condenar de forma veemente qualquer culto a um santo que não seja canonizado por ela. Além disso, as autoridades religiosas cristãs consideram a Santa Morte como um símbolo satânico e que representa o inimigo de Jesus Cristo. 






quinta-feira, 17 de maio de 2012

Dia internacional contra a homofobia


Há 22 anos, a Organização Mundial da Saúde excluía a homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Problemas Relacionados com a Saúde. Essa data foi escolhida para festejar o Dia Internacional Contra a Homofobia.
Apesar da correção pela parte científica, existem outras instituições que continuam inculcando o ódio e considerando uma aberração qualquer orientação sexual diferente da que elas estabelecem, causando assim uma das piores patologias sociais: a homofobia. 
Esse sentimento de repugna reflete e define bem a personalidade e cultura de quem o tem. Uma pessoa bem resolvida não verá o que não gosta em si no outro e portanto, não se sentirá incomodada ou afetada pela sexualidade dos demais. Não é fácil entender as pessoas que se preocupam com a cama alheia. Explicar o mundo desde a proibição é algo medieval que não acompanha a realidade. A tentativa de cercear direitos por parte de um grupo a outro é algo que não deve ser respaldado por um estado democrático. Uma pessoa lúcida pode entender isso de forma natural.
Vamos respeitar a diversidade e ampliar a forma de visão sobre a vida. Entender que a boa convivência numa sociedade plural é importante e necessária. Deixar egoísmos de lado e não pretender que o outro tenha de viver como você acredita que seja o correto. Não é preciso aceitar ninguém, apenas respeite o próximo e o  mundo será um lugar muito melhor para se viver.
Tive a sorte de ter nascido em uma família incrível, pois não sofri preconceito dentro de casa. O meu caso é a minoria. Quando alguém é discriminado por racismo, encontra o apoio no seu entorno, mas quando é pela sexualidade, infelizmente nem sempre é assim. A homofobia é responsável por tragédias familiares, sociais e humanas. Vamos lutar contra esse problema e a melhor forma de eliminá-lo é a boa educação. Para isso o papel de cada um é fundamental.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Vozes da África

A música da África é tão vasta e diversa como as nações e etnias que a habitam. É um continente desconhecido para muitos, estigmatizado por esteriótipos negativos. Para facilitar a compreensão de qualquer cultura é importante escutar sua música. Desde que a civilização se entende como tal, produzir som e ritmos sempre foi uma necessidade da expressão humana, assim como o canto. A etnomusicologia ajuda a explicar um pouco a essência de cada povo. Para nós brasileiros, os sons africanos são bem familiares, devido a história que une nossos povos. A troca recíproca cultural e musical foi, e ainda é,  bastante acentuada. Para ajudar a conhecer e entender um pouco mais sobre nossas similitudes e diferenças é importante escutar suas vozes. 


Miriam Makeba, conhecida também como Mama África, nasceu em Joanesburgo, na África do Sul. Começou a cantar nos anos 50 e logo emigrou para os Estados Unidos."Pata Pata" foi a canção que a projetou mundialmente em 1967. Casou-se com o ativista político Stokely Carmichael e por conta disso seus contratos de gravação foram cancelados. Ambos se viram obrigados irem à Guiné. 
Foi uma grande ativista pelos direitos humanos e contra o apartheid em sua terra natal, onde somente  regressou em 1990, com o fim do regime racista e foi recebida pessoalmente por Nelson Mandella
Cantou e lutou pelo entendimento mundial até seu último dia de vida. Em um show a favor do jornalista e escritor napolitano Roberto Naviano, teve uma parada cardíaca no palco e faleceu no hospital, em novembro de 2008, aos 76 anos.


Cesária Évora é um dos maiores orgulhos de Cabo Verde, considerada a rainha da "morna", gênero musical relacionado com a modinha brasileira, o fado português, o lamento angolano e o tango argentino. Começou a cantar quando ainda era adolescente, mas abandou a carreira em 1975, quando seu país conquistou a independência de Portugal. Enfrentou sérias dificuldades econômicas e teve problemas com o alcoolismo. Depois de 10 anos, a diva dos pés descalços (título recebido por se apresentar sempre descalça nos palcos, em solidariedade às mulheres pobres de África) voltou a cantar. Quando estava se apresentando em Portugal, recebeu convite para ir a Paris, onde gravou seu primeiro disco de sucesso e se tornou estrela internacional aos 47 anos. Em 2004, ganhou o Grammy de Melhor Álbum Contemporâneo de World Music, com "Voz d' amor". 
Faleceu há poucos meses, no dia 17 de dezembro de 2011, aos 70 anos, deixando um repertório magistral de 15 discos.


Oumou Sangaré é uma das cantoras mais queridas de Mali. Ela transforma a música tradicional em pop contemporâneo, com  carga reivindicativa sobre a mudança do papel da mulher na África. É considerada a principal estrela femenina dos sons wassoulou, baseados em uma antiga tradição de rituais de caça combinados com cantos sobre a devoção, o louvor e a colheita a partir de melodias de cinco notas.
Faz parte do cenário afropop malinês desde1989. Foi nomeada Embaixadora da Boa Vontade da FAO no dia 16 de outubro de 2003 e seu último disco foi lançado em 2009, "Seya".

Mayra de Andrade, apesar de ter nascido em Havana (Cuba), é uma jovem cantora cabo-verdiana, que já viveu no Senegal, Angola e Alemanha. Atualmente mora em Paris. A primeira música que lembra ter cantado foi "Leãozinho", de Caetano Veloso.
Participou e ganhou em vários festivais e em Portugal, chegou a iniciar os shows de Cesária Évora. No Brasil, gravou com Lenine e Chico Buarque. Sua maior inspiração é a música brasileira e é considerada uma das grandes promessas de Cabo Verde.




 Simphiwe Dana (1980) é uma cantora Xhosa (grupo étnico da África do Sul) que combina o pop, jazz e a música tradicional. É apontada como a "nova Miriam Makeba".


Fernando Quejas foi o cantor cabo-verdiano mais famoso da "morna melancólica". Em 1945, aos 23 anos, cantou pela primeira vez na Rádio Clube de Cabo Verde e dois anos depois, emigrou a Portugal.  Poucos anos depois começou a sua carreira musical. Gravou 22 álbuns e nos anos sessenta e setenta, viajou pelo mundo inteiro levando sua música. Faleceu no dia 28 de outubro de 2005, em Lisboa.


Ejigayehu Shibabaw (1974), conhecida como GiGi, é uma cantora etíope de jazz, soul e afrofunk. Viu-se obrigada a fugir para a Quênia, quando a família se opôs ao seu desejo de cantar, quando ainda era adolescente. A primeira apresentação aconteceu em 1993, na cidade de Nairobi. Regressou à Etiópia três anos depois e lá entrou para o teatro. Viajou a várias cidades com o grupo "Salomon et Saba", chegando ir à França, onde gravaram um disco para a "Maison des Cultures du Monde", em 1997. No ano seguinte foi para Califónria e lá gravou um novo álbum, "One Ethiopia", com instrumentos eletrônicos. Esse trabalho lhe permitiu mais visibilidade, chamando a atenção do fundador de Palm Pictures, selo que lançou seus dois discos posteriores: GIGI e Radioaxiom:A Dub Transmission.E a partir disso, tornou-se ainda mais conhecida.
 Tcheka Andrade nasceu no seio de uma família musical em Cabo Verde. Começou a tocar com o pai Nho Raul Andrade, violinista famoso na região, em festas locais, casamentos e batizados. Quando completou 15 anos, começou a desenvolver seu próprio estilo, adaptando os ritmos do Batuque ao violão. Foi morar na capital, onde começou a trabalhar como câmera na televisão nacional e conheceu o jornalista Julio Rodrigues, com quem escreveu uma série de canções e começou a se apresentar de maneira informal nos bares locais. Tem três discos gravados e já se apresentou na Europa.



Ismaël Lô, filho de mãe nigeriana e pai senegalense, nasceu em Níger e pouco tempo depois, a família voltou para Senegal. 
Nos anos 70 estudou na Escola de Arte de Dakar e mais tarde passou a formar parte do grupo Super Diamono até 1984, quando começou a carreira solo. Nos quatro anos seguintes, gravou cinco discos de grande sucesso. O sexto foi gravado na França, onde o single "Tabajone" fez sucesso na Europa inteira e foi incluido no filme "Tudo sobre a minha mãe", de Pedro Almodóvar. A partir daí, sua carreira passou a ser internacional.



domingo, 13 de maio de 2012

Angélique Kidjo, a voz de Benim



Angélique Kidjo é uma das cantoras mais famosas do continente africano. Atualmente tem 51 anos e iniciou a carreira artística desde criança. Sua mãe, que pertencia ao povo iorubá, trabalhava como coreógrafa e diretora teatral em seu próprio negócio. O pai, procedente do povo fon, trabalhava no correio local e seus hobbies eram o banjo e a fotografia.
Começou a cantar e dançar no teatro aos seis anos de idade. O ambiente em que vivia lhe favorecia o contato com diversas culturas e tradições. Seguindo o conselho dos pais, estudou idiomas e na adolescência já era famosa na África Ocidental, por ser vocalista da banda Kidjo Brothers Band, formada com seus irmãos. 
Além de cantora e dançaria, Angélique também é compositora, atriz, diretora e produtora. Desde adolescente já mostrava preocupação pelos problemas sociais, sendo militante contra o apartheid que acontecia na África do Sul. 
Em 1989 teve a oportunidade de realizar um de seus maiores sonhos que era trabalhar com Miriam Makeba, o seu maior ídolo. Fizeram vários concertos no Olympia, em Paris. E a partir daí, descobriram que tinham muitas afinidades em comum. 
Ao longo da carreira profissional gravou dez discos e ganhou reconhecimento internacional, primeiramente na Europa e logo nos Estados Unidos, Japão e Austrália. Trabalhou com artistas de várias partes do mundo como Peter Gabriel, Alicia Keys, Carlos Santana, etc. Em 2000, fez um participação no disco "Sol da Liberdade", de Daniela Mercury, com a canção "Dara". Em 2002 esteve no Brasil, em Salvador (BA), onde compôs três canções com Carlinhos Brown para o álbum "Black Ivory Soul", que também conta com uma versão da música "Refavela", de Gilberto Gil.


Paralelamente ao trabalho artístico, Angélique continuou atuando como ativista política. Muitas de suas canções, gravadas em vários idiomas, têm conotação de protesto. Em 2002 foi nomeada uma das embaixadoras da boa vontade pela UNICEF.  Em 2006 criou a Fundação Batonga, uma ONG que visa fornecer às garotas africanas, ensino secundário e superior de qualidade. Está presente em cinco países: Benim, Etiópia, Camarões, Mali e Serra Leoa. O nome da fundação é referente a um insulto que ela recebeu quando estudava, pois na época era mal visto que uma garota estudasse.
Angélique Kidjo é eclética. Canta em fon, iorubá, francês e inglês, vários gêneros musicais; afrobeat, reggae, world music, jazz, blues, gospel, afropop, etc. 
Em 2010 lançou seu último álbum, Öÿö, com participações de Bono Vox e John Legend, e recebeu ótimas críticas. Participou do show de abertura da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. 
É difícil resumir a biografia de Angélique, pois ela morou em vários lugares e viajou pelo mundo inteiro sempre em nome da música e também das causas sociais. Também não é fácil encontrar palavras para definir a beleza de sua voz.

 

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Mais que irmãos, amantes

É considerado incesto a relação sexual entre parentes por consaguinidade ou afins. É condenado em quase todas as sociedades e grupos, pela moral, religião e em muitos países, também pela lei.
Patrick Stuebing recorreu ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem por sentir-se injustiçado com a pena de 14 meses que lhe foi imposta em 2005 por ter quatro filhos com sua irmã (dois deles nasceram com deficiências), Suzan Karolewski. No último dia 13, o rapaz perdeu o recurso.
A condena pelo tribunal alemão foi considerada legítima pelo Tribunal Europeu. Assim como a maioria dos países da União Europeia, a Alemanha proibe relações sexuais consensuais entre irmãos adultos.
Patrick foi adotado quando tinha três anos e só conheceu a irmã biológica quase vinte anos depois. Tinha 24 anos quando foi rever sua progenitora e conheceu Susan, de 16 anos. Começaram uma relação e conviveram como casal entre 2001 e 2005. Durante esse período tiveram os filhos. A moça livrou-se da prisão por um atestado psiquiátrico que a eximia de responsabilidade.
Patrick alegou em seu recurso, a privação dos seus direitos à privacidade e à constituição de família e o Tribunal considerou lícito a decisão tomada pela Corte alemã, por considerar que a consanguinidade eleva o risco de existirem deficiências em crianças fruto deste tipo de relação.
Suzan, agora, tem 28 anos e diz estar arrepentida da relação que manteve com o irmão e concorda que o incesto seja um crime, cuja condena na Alemanha é de 2 anosde prisão quando ele acontece entre irmãos e 3 anos, no caso de pai ou mãe com os próprios filhos.

Na Espanha qualquer tipo de relação consensual entre adultos é permitida e o incesto deixou de ser delito em 1978. A única proibição é o casamento. Mas isso não importa para o casal de irmãos de Cambre, província de A Corunha, situada ao norte do país. 
A história de Daniel e Rosa Moya Peña foi levada ao cinema nas mãos do diretor Ramón Costafreda, sob o título "Máis Ca Irmáns" (Mais que Irmãos em galego) em 2005. Os irmãos que convivem maritalmente há 35 anos têm dois filhos (Cristina e Iván, 26 e 19 anos respectivamente) e dois netos, ambos filhos da primogênita do casal. 
Eles se conheceram em 1977, em Madri, sem saberem que eram filhos dos mesmos pais, cuja separação ocorrera duas décadas antes de modo traumático, descompondo uma família com o total de sete filhos.
 Daniel e outra irmã foram criados pela mãe sem saberem da existência dos outros irmãos. Rosa e o irmão gêmeo foram parar em um orfanato. 
Quando já estavam apaixonados, descobriram o laço sanguíneo e terminaram. Mas depois de cinco meses, o amor falou mais alto e  acabaram reatando a relação. 
Hoje em dia, por sentença judicial, são considerados uma família. Daniel deixou de ser considerado legalmente o tio para assumir o papel real de pai de seus filhos, pois até então Rosa era considerada mãe solteira. Tiveram que brigar muito para que esse direito fosse concedido.

Relações deste tipo devem ocorrer muito mais do que sabemos, pois por tratar-se de um tabu difícil de ser assimilado até pelos mais progressistas, as pessoas que vivem essa experiência tratam de ocultá-las.
O horror ao incesto, segundo Freud, vem como uma forma insconsciente, individual e coletiva, da sociedade humana de se organizar de uma forma que a diferencie dos animais irracionais. 
 
                                                 O incesto no Brasil

O artigo 183 do nosso Código Civil de 1916 o proíbe, mas não criminaliza a sua prática, igual como acontece na Espanha. Em alguns países, o casamento entre primos é considerado incasto, mas no Brasil ele não é tão recriminado. A sociedade brasileira entende realmente como incesto as relações sexuais entre pais e filhos, e também entre irmãos. Causam mais impacto, mas dificilmente são conhecidos quando ocorrem de forma consensual entre adultos. 
Os casos de incesto, normalmente, acabam sendo notícias quando envolvem a pedofilia. A cada dia no nosso extenso território, 165 crianças e adolescentes são vítimas de abuso sexual dentro da própria casa.
Em vilarejos ribeirinhos do Amazônia, a prática do pai iniciar sexualmente as filhas menores é quase uma tradição. Normalmente acontece de forma velada, para isso, até foi criado um mito: o boto cor de rosa. O peixe gigante e pedófilo é responsável pela maioria das gestações infantis nesses lugares.
Ocorre também no nordeste mais profundo, onde frases como "Quem planta a bananeira tem direito a comer o primeiro fruto" são ditas naturalmente, revelando a naturalidade desta prática. Nelson Rodrigues, pernambucano, relatava relações incestuosas em suas obras, como Álbum de Família.
Respeito a relação consensual entre adultos independente de qualquer circunstância. Acredito que não compete a ningém fazer pré-julgamentos. O que condeno veementemente são os casos que envolvem crianças. O poder público das localidades onde isso é visto com normalidade deveria intervir e protegê-las. A carência de uma boa educação para prevenir, a negligência por parte dos serviços sociais e a impunidade, permitem que esse tipo de violência continue acontecendo nos lares brasileiros, principalmente nos mais humildes.
 


quarta-feira, 9 de maio de 2012

A maior ousadia de Dilma Rousseff

Aplaudo a coragem da presidente Dilma Rousseff  de tocar em um dos setores mais poderosos do Brasil, visando se antecipar  aos problemas que a Europa vem enfrentando nos últimos anos. Para continuar crescendo é importante manter o aquecimento do consumo interno e isso não será possível se o número de inadimplentes crescer.
O nosso país é um dos que tem as maiores taxas de juros do mundo e onde o spread bancário (leia-se lucro) seja talvez o maior do planeta. 
Os banqueiros são os maiores patrocinadores de campanha eleitoral e sempre compraram a conivência dos políticos com isso. Nunca antes na história desse país algum presidente teve a coragem de mexer com essas vespas. Como é possível pedir para que esses milhonários diminuam sua margem de lucro para favorecer o resto da sociedade? 
É vergonhoso o que um brasileiro tem de pagar pelo serviço bancário, é praticamente um roubo. Agiotagem como disse um ex-banqueiro. E esse é um dos outros resultados da corrupção, onde o povo é sempre o que sai prejudicado.
Independente da ideologia política de cada um, não reconhecer que essa decisão é positiva para os brasileiros e consequentemente para o país é cabível apenas para os banqueiros (grandes patrocinadores da mídia em geral, assim que estejamos atentos) e fanáticos ideológicos que se opõem ao governo. 
É importante o brasileiro ser mais criterioso com o banco que lhe presta serviço. Caso os banqueiros não acatem a decisão da presidente Dilma, é recomendável migrar para outro que cobre menos juros.
Por não se tratar de um banco privado, o Banco do Brasil baixou mais uma vez as taxas de juros, na sexta-feira passada, por ordem direta da presidente. A redução é para pessoas físicas e linhas de crédito pessoal, cheque especial e veículos. No cheque especial, a taxa máxima mensal caiu de 8,31% para 3,94%, que agora é a taxa única do produto. No crédito pessoal, caiu de 5,79% (ao mês) para 3,94%. No financiamento de veículos, a taxa média caiu de 3,20% para 1,58%.
Deixo abaixo um vídeo do comentário da jornalista Salete Lemos, que em 2007 ousou a atacar os banqueiros e logo foi demitida da TV Cultura. Desde então, não se sabe o paradeiro dela. Se alguém souber, eu agradeceria essa informação.


segunda-feira, 7 de maio de 2012

Conviver com a fibromialgia

Em nível de curiosidade, deixo aqui uma pequena lista de personagens que padeceram ou padecem de FM.

     
  • Flea, músico integrande da banda  Red Hot Chili Peppers 
  • Keith Jarrett, pianista de jazz 
  • Sinead O´Connor, cantora
  • Pablo Gonzalez, diretor de orquesta 
  • Robbie williams, cantor
  • Frida Kahlo, pintora mexicana
  • Tássia Camargo, atriz
  • Zizi Possi, cantora
  • Katie Holmes, atriz
  • Jo Guest, atriz
  • Radek Stepanek, tenista
  • Cher, cantora e atriz



                                               
                                              Experiência pessoal


Acredito que a melhor forma de lidar com qualquer adversidade é manter a calma, aceitar a situação e ter paciência. Existem circunstâncias em que a nossa atitude é essencial para determinar o resultado, outras em que devemos apenas conservar a fé e o otimismo. 
Quando a vida te conduz a uma esquina e decide que ali você deve permanecer por algum tempo, o melhor modo para não perder a sanidade mental é preservar a esperança de que momentos mais agradáveis virão. Não podemos permitir, nunca, o desespero. 
A fibromialgia é uma síndrome que afeta milhões de pessoas no mundo. É a doença silenciosa para os olhos alheios, que não mata e nem deforma o paciente, mas grita constantemente dentro. Há dias que a dor se cala, e outros em que ela berra de forma escandalosa. Há momentos em que ela tenta silenciar o positivismo para te arrastar ao limbo. Não permita isso nunca. 
Quando estiver sentindo muita dor, deite-se na cama, respire fundo e feche os olhos. Sinta cada músculo do seu corpo, começando pela testa até os dedos dos pés. Faça isso devagar... procure relaxar. Visualize mentalmente uma imagem agradável e se concentre nela. Permaneça assim o tempo que achar necessário, depois deixe a mente em branco. Aprenda a trabalhar a respiração e tome o controle do seu corpo.
Os pensamentos são como os pássaros... se os alimentamos, aparecem cada vez mais. Mas quando deixamos de lhes dar alimento, eles desaparecem.  Portanto, por muito difícil que seja, pense sempre em coisas boas.
Pense e acredite que essa situação é passageira. Apesar dos dias se transformarem em décadas, não há mal que dure cem anos. Não deixe a depressão chegar, mas se ela já está aí, aceite-a e não sofra.
O sofrimento é o choque do que desejamos com a realidade. O primeiro passo é sempre a aceitação. Deixar de pensar que você poderia estar trabalhando ou fazendo as coisas que você gosta. Entenda as suas limitações do momento e com tranquilidade é mais fácil superar. O desespero tende a potencializar a dor e isso facilita o risco de depressão e a sensação de cansaço, principalmente quando esse estado é prolongado.
Estou afastado do trabalho há alguns meses por conta da crise que estou sofrendo. Há mais de 150 dias não treino musculação e tampouco nenhuma outra atividade esportiva. Nós, fibromiálgicos, devemos fazer um grande esforço para fazer qualquer tipo de exercício aeróbico, isso contribui muito para melhorar nossa qualidade de vida. Mas só nós sabemos que há períodos que isso se torna impossível. Devemos escutar o nosso corpo. Cada um conhece sua própria limitação. 
Durante  esse tempo tive de prescindir de outras atividades de características pessoal e social. Tantas coisas que gosto de fazer, mas que não posso estar fazendo. E sei que isso, para muitas pessoas, é bastante complicado. Por isso recomendo não pensar que poderíamos estar vivendo outras coisas, pois esse comportamento é pernicioso para nossa recuperação. 
Quem padece de fibromialgia deve ter um acompanhamento médico. Existem várias terapias alternativas que ajudam a paliar os sintomas. Recebemos muitas recomendações e por se tratar de uma síndrome, cuja causa é desconhecida, há muitas especulações a respeito que acabam nos confundindo. 
Volto a escrever sobre esse assunto porque compreendo o desespero de muitas pessoas. Pois vejo que muitas chegaram ao meu blog, pesquisando sobre o tema. Sei que procuram respostas que possam trazer esperanças, conhecer outras pessoas que têm a mesma enfermidade para trocar experiências e principalmente compreensão. Por isso relato minha vivência em primeira pessoa e o faço dirigido especialmente aos fibromiálgicos.
Não importa seu credo, sua religião ou onde você referencia a tua fé, mas ela é imprescindível para evitar o sofrimento. Não dramatize. Como sempre digo, podemos ser vítimas, mas nunca devemos assumir o vitimismo. Ele é destrutivo para a nossa saúde mental e isso reflete no nosso corpo. 
Recomendo às pessoas que estejam enfrentando essa situação ou qualquer outra dificuldade, que procure se conhecer melhor através da espiritualidade. Os ateus também podem fazê-lo, porque a religião não é a única via para isso. Aqui mesmo neste blog, traduzi  uma conferência de Anthony de Mello, que com suas palavras e ensinamentos fez com que eu enxergasse determinadas coisas de outra forma e enfrentá-las de forma mais feliz! 

                                          A importância da alimentação

 Nós que padecemos de dores crônicas por conta da fibromialgia, devemos procurar manter uma alimentação saudável e equilibrada. Os fármacos que são usados para o tratamento dificultam a absorvência de nutrientes fundamentais para o bom funcionamento do nosso organismo, como o ferro, proteínas, cálcio e vitaminas de complexo B. Com a carência de proteínas, nosso corpo acaba absorvendo as dos músculos, deixando-os mais frágeis. Consequentemente ficamos mais sensíveis à dores. 
Devemos ter uma dieta com alimentos que sejam ricos em triptofano, pois ele é um aminoácido que contribui para a sintetização da serotonina (costumo dizer que é a molécula da alegria, pois ela é fundamental para evitar a depressão). Podemos encontrá-lo em alimentos como o grão-de-bico, chocolate, ovos, leite, carne, iogurte, salmão, etc.
Minerais como o cálcio e o magnésio ajudam na contração e relaxamento dos músculos, respectivamente. Os derivados do leite contêm ambos, mas para quem tem problemas com a lactosa, pode substituir pela soja. Cereais integrais, vegetais verdes (principalmente escuros), gergelim, amêndoas, banana e outras frutas são ricas nestes nutrientes. 
A vitamina E ajuda na prevenção de câimbras nas pernas, que ocorrem por conta do aumento da circulação sanguínea. É um ótimo antioxidante que encontramos no amendoim, carnes, gema de ovo e germe de trigo. 
São alguns exemplos de alimentos que servem para manter o bom funcionamento do nosso organismo e que ajudam a combater alguns sintomas. Mas é importante consultar um nutricionista, pois somente um profissional poderá indicar uma dieta mais adequada e personalizada.

 
"Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível , e de repente você estará fazendo o impossível." (Francisco de Assis)

                                  

sábado, 5 de maio de 2012

Os mesmos direitos com os mesmos nomes

"Ser heterossexual não é nenhum mérito e ser homossexual não é um desmérito./O amor entre homens e mulheres é uma constante universal, o único que varia é a atitude da sociedade./O casamento é uma instituição humana, é cultural, não pertence a nenhum ditado de lei natural e tampouco divina. O casamento homossexual não destrói nenhuma instituição, pelo contrário, amplia esse direito./Compreendam que o casamento a se chamar casamento é um direito de todos, sem distinção. E em democracia não pode ser privilégio de uns e exclusão de outros..."- esse é um trecho do discurso da deputada socialista espanhola (PSOE) Carmen Montón, realizado no Congresso espanhol, no dia que foi reconhecido o direito ao casamento entre pessoas do mesmo sexo na Espanha, no dia 30 de junho de 2005.
"Guerra de deus ou projeto do demônio, essas expressões nos remetem a tempos medievais, à época da inquisição. É inconcebível que a maioria negue direitos às minorias."- trecho de uma entrevista concedida pela presidente argentina, Cristina Kirchner. O casamento entre pessoas do mesmo sexo é permitido na Argentina desde o dia 15 de julho de 2010.

Há exatamente um ano, o STF reconhecia por unanimidade a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Muitas pessoas perguntam se isso não é suficiente e questionam a luta para que esse direito seja legislado. Não, apesar de ter sido um grande avanço para as pessoas LGBT, necessitamos que outro passo seja dado e que o Estado garanta direitos iguais a todos os cidadãos, sem excluir ninguém.
É importante esclarecer que a campanha pelo casamento civil igualitário pretende ampliar os direitos às pessoas do mesmo sexo e que isso não interfere negativamente na vida dos heterossexuais. Qualquer oposição é meramente embasada em argumentos religiosos e carece de validade em um estado democrático.
É necessário explicar à sociedade de que não haverão duas pessoas do mesmo sexo no altar de uma igreja, porque essa não é a pretensão dos homossexuais. Exigimos apenas os direitos civis básicos. Portanto, nenhuma instituição religiosa deveria se opor a essa causa.
O reconhecimento deste direito contribuirá para a diminuição da homofobia. O Brasil é considerado um dos países mais homofóbicos do mundo e é onde ocorrem mais homicídios contra as pessoas homossexuais.
Peço a todas as pessoas que chegaram até aqui, que firmem o abaixo-assinado. Cada assinatura é importante e isso não lhe custará absolutamente nada. Em menos de um minuto, seu voto será computado para que possamos levar a Plenário, o projeto de lei criado pelo deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ). Para fazê-lo é só entrar no site:


Reitero meu agradecimento aos amigos e artistas que admiro por continuarem expressando abertamente suas opiniões e permitindo que sejam publicadas aqui. Vejo as pessoas como o Estado deveria entender os cidadãos: de maneira igual, sem distinção de etnia, idade, religião, gênero e sexualidade.


 Você é a favor do Casamento Civil Igualitário? Por quê?  







"Sou a favor. Igualdade acima de tudo, essa conquista não pode ser ignorada."
Bruno Perillo, ator





 "Sim, concordo com a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Acredito que o amor tem diversas facetas e que o fato da união entre parceiros do mesmo sexo ainda ser algo visto como ilegal (vulgo imoral) fomenta o preconceito existente. A aceitação desse fato traria luz não apenas à esta questão, quanto outras de cunho preconceituoso de uma forma geral."
Ana Alice Amorim, professora e revisora de textos, 35 anos






"O importante é ser feliz. Tantos políticos fazendo coisas erradas, tanta fome no mundo,  devemos nos importar com isso. O casamento civil igualitário tem que existir sim, sem problema nenhum."
Antoni Filho, modelo, 23 anos




 


"Sim. Sou totalmente a favor do casamento civil igualitário."
Íttala Nandi, atriz






 "Sou a favor do Casamento Civil Igualitário pois acredito profundamente na construção de uma vida feliz através dos nossos afetos, sejam eles homoafetivos ou heteroafetivos. Pois todos tem o direito de amar e compartilhar seus afetos, seguindo sua orientação sexual livremente, respeitando a sua identidade e individualidade, pelos principios de igualdade de respeito e consideração e compartilhar do mesmo regime jurídico do Estado. Somente assim poderemos construir uma sociedade justa, sem preconceitos e consequentemente um mundo melhor."
Celso André, ator, dramaturgo, diretor teatral





"Acredito que o direito se reserva a todas as pessoas independente da situação em que elas se encontram. Independente de sexo, raça, cor, condição sexual, religião, entre outras. As diferenças existem, mas o direito deve ser estendido a todos."
Edna Santos, funcionária pública, 38 anos 






"Sim, sou a favor. Diz a nossa Constituição: todos são iguais perante a lei. Portanto, entendo que a igualdade de condições e direitos deve ser aplicada a todas as pessoas, independentemente de raça, condição social, cultural, religiosa e também de sua condição sexual. Uma família, sejam os cônjuges heteros ou homoafetivos, deve usufruir das mesmas condições e direitos de quaisquer cidadãos."
Deo Garcez, ator, 44 anos





"Sou a favor do casamento civil igualitário porque, embora não ache o casamento civil necessário para o reconhecimento da parceria amorosa e da família constituída a partir dela, este é um direito civil e, como tal, deve servir a todos, sem distinção, para que escolham fazer uso dele ou não. Este é o único caminho possível para uma sociedade Humanista."
Cecilia Rangel, atriz, escritora e roteirista, 53 anos 





"Sou a favor do casamento civil igualitário. Simplesmente por entender que as pessoas tem liberdade de escolhas. E não devemos fazer julgamentos sobre as escolhas particulares, devemos respeitar."
Luís Villaça, diretor de fotografia, 32 anos






"Eu sou a favor, desde que não envolva a igreja no meio!"
Devlyn Schil, estudante, 24 anos









"Sou a favor da liberdade, do amor, do educar, do ir e vir... O casamento civil igualitário proporcionará aos iguais os iguais direitos que os heterossexuais já possuem, é a cidadania sendo finalmente dada a todos os cidadãos."
Geraldo Ramos, jornalista, 28 anos 



 



 "Concordo com várias opiniões nos posts anteriores. Acho que devemos amar e construir juntos. Acho que todos temos o direito de sermos felizes."
Gilberto Zangrande, ator







"Sou a favor sim. É uma conquista de liberdade para todos e defendo isso com plena convicção!"
Sonia Clara Ghivelder, atriz 








"Sou a favor sim. Desde que haja amor. Eu tenho um companheiro há 4 anos, mas nunca pensamos no casamento propriamente dito. Mas se for a vontade do casal, acho válido.  Embora casar nunca foi meu sonho."
Frederico Ferrera, estilista, 24 anos







"Sim, por uma questão de igualdade civil. A comunidade brasileira GLBT tem todos os deveres civis inscritos da Constituição e apenas alguns direitos. O casamento não é um deles."
Gilberto Scofield Jr., jornalista, 46 anos







"Sou a favor do casamento civil igualitário, porque acho que todos os brasileiros devem ser tratados da mesma maneira, com os mesmo direitos e deveres."
Rafael Zveiter, poeta




"Sou a favor do casamento civíl igualitário. É desprovida de qualquer lógica proibir legalmente que duas pessoas se unam e tenham os mesmos direitos e deveres pela razão de nascer ou se devenvolver, como cidadão, tendo atração afetiva/sexual por outro indivíduo do mesmo sexo - as pessoas só observam o lado sexual da questão, afinidades afetivas também contam."
Maria Leonilda Gnan, policial civil, 56 anos



 

"Sou a favor do casamento igualitário. As pessoas pagam impostos igualitários, dividem deveres e obrigações iguais independente de sua orientação sexual e suas escolhas. Ser igual no casamento e o mínimo que deve ser seguido."
Thiago Adorno, ator, 33 anos






"Sim, sou a favor do casamento civil igualitário totalmente. Porque gosto e prezo a felicidade. Sendo pessoas de maior idade, sem serem obrigadas, quero dizer, de comum acordo, podem casar livremente. O importante é ser feliz."
Luzia Moraes, empresária e produtora cultural, 32 anos


"Apoio o projeto de divulgação da campanha pelo casamento civil igualitário no Brasil. Estamos caminhando para a igualdade social, independente da orientação sexual, etnia ou condição social. A nova geração já encara positivamente o assunto de casamento entre iguais, espero que o tema deixe de ser um tabu para ser uma celebração ao amor, companheirismo e modelo para outros paises."
Renato Andrade, blogueiro e curador de conteúdo para web e mídias sociais




"Sim, sou a favor. Porque acredito que um tem o direito de ser feliz, seja qual for sua escolha, seu pensamento e sua posição diante de uma sociedade simplesmente coberta de ignorantes e homofóbicos."

Talita Sánchez, professora, 29 anos




"Sou a favor sim , pois acho que uma união estável independente do sexo , deve ter suas garantias paras as duas pessoas que resolverem assumir tal compromisso . Sou só contra o nome casamento para união de pessoas do mesmo sexo e sim preferindo chamar de contrato, sei que parece algo meio sem romantismo, mas acho que o fator de pessoas fazerem "algumas cenas" com a palavra casamento acaba dando uma ideia errada para quem não entende muito do argumento de uma união de pessoas do mesmo sexo."
Nuno Botelho, produtor


 "Na realidade social brasileira a união entre pessoas do mesmo sexo, que estabelecem comunhão de vida baseada no afeto, assistência e respeito mútuo. Porém, tais uniões não são regulamentadas pela Constituição Federal, que as consideram inexistentes, em total incoerência com os princípios da dignidade da pessoa humana, da igualdade e da liberdade. Perante a lei todos somos iguais sem distinções, afinal os homosexuais pagam seus impostos tanto quantos os heteros, brancos e negros deste país,nada mais do que direito o casamento civil igualitario.Nós só vivemos em busca da felicidade como qualquer casal."
Jonnes Lima, jardineiro, 24 anos