sábado, 11 de agosto de 2012

Qual foi o heroísmo de Ayrton Senna?

Herói é um adjetivo que pode ser dado a uma pessoa em diversas situações. Normalmente é outorgado a alguém associado a algum ato de heroísmo ou de coragem.
Não podemos dizer que Ayrton Senna tenha sido um herói , porque ele nunca lutou por outra coisa que não fosse pelo exercício da profissão que amava, assim como fazem milhões em diversas áreas. Ele era tão digno quanto o padeiro que faz o pão com amor para os seus fregueses.
Não foi um ser dotado de super poderes e menos de alguma divindade especial. Não prestou nenhum serviço importante à humanidade. Arriscou e perdeu a vida por um dever escolhido por ele, mas nunca esteve em nenhuma situação onde tivesse que fazê-lo pelo próximo. A sua nobreza era ordinária e nunca fora algo que o caracterizara de forma especial.
Senna é considerado herói pelo brasileiro porque foi exatamente assim que ele foi vendido. Era talentoso, extremamente talentoso, disso não cabiam dúvidas. As vitórias conquistadas por ele enchiam os corações da massa de um país que enfrentava problemas gravíssimos consequentes da tremenda desigualdade social. Era a maneira de um rapaz de família opulenta contribuir de forma conveniente com os pobres. As suas vitórias pessoais alcançaram o status de conquista de um país, como é normal em qualquer tipo de competição internacional. O povo brasileiro na verdade é generoso quando o considera  um homem santo. Embora a generosidade da nossa gente se confunda muitas vezes com  ignorância.
O nosso eterno tri campeão da Fórmula 1 foi herói por ter se sobressaído no que fazia e com a o apoio de uma estrutura capitalista de interesses mútuos conseguiu chamar a atenção para si. Era lindo escutar a "musiquinha da vitória", ver a bandeira verde e amarela na reta de chegada. Ainda não era tão desagradável escutar o chato Galvão Bueno.
Vendo o resultado da competição entre Ayrton Senna e o Lula no programa jornalístico "O maior brasileiro de todos os tempos", no SBT,  não fiquei surpreso com a vitória do piloto na escolha popular. Considero a figura de Lula mais relevante que a de Senna, apesar dela não ser tão imaculada. O ex-presidente teve de tomar decisões bem mais importantes.
Não tenho absolutamente nada contra Ayrton Senna, gostava muito dele e assim como milhões de brasileiros, não perdia uma única corrida. O que é um pouco irritante é a idolatria exacerbada por ele. Se fosse pela maioria, o rapaz seria canonizado pelo Vaticano sem ter cometido outro milagre que não tenha sido o de produzir simpatia pública mesmo sendo tão tímido.



2 comentários:

Vitor Junior disse...

É um herói sim, pelo caráter, pelo talento, pela dedicação, pela humildade, por pensar no próximo, pelo patriotismo, pela disciplina, pela persistência, pela sua espiritualidade, pelo amor que transbordava pela vida e pelo próximo, sua mensagem não foi pintada pela mídia, foi veiculada pela mídia aquilo que realmente era, e o amor do brasileiro e do mundo por ele se dá porque todos que tiveram o privilégio de vê-lo em vida e sabem de sua história, sabem que o crescimento da civilização e do individuo passa pelas qualidades que nele se encontravam. Felizes os anônimos que conseguem ser um pouco de Senna.

Vitor Junior disse...

É um herói sim, pelo caráter, pelo talento, pela dedicação, pela humildade, por pensar no próximo, pelo patriotismo, pela disciplina, pela persistência, pela sua espiritualidade, pelo amor que transbordava pela vida e pelo próximo, sua mensagem não foi pintada pela mídia, foi veiculada pela mídia aquilo que realmente era, e o amor do brasileiro e do mundo por ele se dá porque todos que tiveram o privilégio de vê-lo em vida e sabem de sua história, sabem que o crescimento da civilização e do individuo passa pelas qualidades que nele se encontravam. Felizes os anônimos que conseguem ser um pouco de Senna.